Breaking Bad: A Tempestade Perfeita

O cinema está acabando e virando entretenimento infanto-juvenil faz tempo. Woody Allen, Scorsese e Coppola não repetem as obras-primas que filmaram nos anos 70. Taxi Driver. O Poderoso Chefão. Annie Hall. Manhattan. É o tempo de super heróis e de grandes atores como Robert Downey Jr desperdiçados em franquias pueris.
Scorsese, por sinal, foi para a TV, com o excelente Boardwalk Empire. Allen e Coppola vagam mundo afora em busca de trocados para fazer filmes que quase ninguém assiste.
Quando a TV começou a ficar mais relevante que o cinema? Possivelmente quando uma obra seminal como Família Soprano foi lançada. E permanecia no topo até o lançamento de Breaking Bad – the perfect storm – aquela situação em que tudo se reúne para criar um evento único e improvável.
Breaking Bad foi criada Vince Gilligan e é exibida nos EUA pelo canal AMC. Estreou em 2008 e conta a estória de Walter White (Bryan Cranston), um professor de química do ensino secundário com um filho adolescente que sofre de paralisia cerebral (RJ Mitte) e uma esposa grávida, Skyler (Anna Gunn). Quando ele descobre que está com câncer e vai morrer em breve, decide montar um fundo para acomodar as necessidades da família. Para tanto, começa a produzir metanfetaminas com o seu ex-aluno Jesse Pinkman (Aaron Paul).

Cranston, até então um mero coadjuvante de sitcoms, mostra uma força inacreditável – e para mim é o melhor ator em atividade. Ele encontra sutilezas no personagem e dá a ele uma complexidade única, oscilando entre a fragilidade e a brutalidade gratuita. Ele ganhou dois Prêmios Emmy pela primeira temporada além de vários outros prêmios e nomeações. O personagem de Cranston nos desafia o tempo todo. Quando começamos a sentir alguma empatia, ele nos provoca com gestos de grosseria totalmente desnecessários, não poupando nem o filho deficiente.
Quando eu falo em tempestade perfeita, estou me referindo ao encontro de um roteiro perfeito com um casting impecável, passando por detalhes como a luz saturada de Albuquerque, Novo México.
Um exemplo disso é o chefão do tráfico Gustavo “Gus” Fring, interpretado por Giancarlo Esposito.

Paulo César Peréio – que entende tudo – disse uma vez que gosta de atores que fazem muito sem fazer praticamente nada. Citou como exemplo Robert Mitchum. Esposito faz o mínimo possível. Não há o menor vestígio de overacting. Está tudo nos olhos. A cena em que ele cuidadosamente dobra o blazer antes de vomitar o veneno que tomou é um exemplo da construção impecável de seu personagem. Ele finge simpatia, sorri, e você tem certeza de que ali está um cara com quem é melhor não se meter. A perfeita tradução do Cool Motherfucker.
Os atores que fazem Breaking Bad nunca estouraram no cinema. Pertenciam ao submundo da TV. E,desta tempestade perfeita e improvável, nasceu um clássico.
Ou, como um crítico definiu sem exagero “TV para os deuses”.

5 Respostas para “Breaking Bad: A Tempestade Perfeita

  1. Aqui, só aprendo. Impressionante. Não fosse este blog, me sentiria confortável onde moro, na Idade Média. Sorte que a todo post sou obrigado a sair lá fora, onde bate o vento polar.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s