Amy e Laerte: Quando o Acessório Finge Que é o Principal

Ouvindo Amy Winehouse – mais precisamente sua arrasadora gravação de “Moody’s Mood For Love”, uma canção tremendamente exigente, que James Moody escreveu para afastar os amadores, incluindo divisões rítmicas impossíveis.

Não é por acaso que seu álbum Frank seja dedicado a Sinatra, Bennett, Count Basie, Sammy Davis. A moça sabia a que clube pertencia, desde o início

Por coincidência, no mesmo momento, acabei o Sérgio Augusto no Estadão e parto para o Laerte Coutinho na Folha.

Impossível não pensar no tempo que se perde escrevendo sobre as bebedeiras de Amy, sua provável overdose, e no fato de Laerte se vestir de mulher. A importância de tudo isso é, obviamente, nenhuma.
Despidos desses acessórios que nada acrescentam ao seu trabalho, fica o privilégio de sermos contemporâneos de dois grandes artistas.
É uma pena que nestes dois casos o acessório tenha eclipsado do essencial.
E o essencial, em ambos os casos, é genialidade pura, disfarçada de arte pop. Hitchcock fazia isso. Desenvolvia grande arte e fingia que era entretenimento.
Os franceses não se deixaram enganar.
Nós também não devíamos.

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s