Confissões de um Fantasma

Sou escritor fantasma.

Já escrevi para um Presidente da República (em exercício, mas, ainda assim…), autoridades diversas, presidentes de grandes empresas, vídeos que foram exibidos para os maiores nomes do PIB brasileiro.

É um trabalho deprimente, mas é remunerado.

Já escrevi para homenagear executivos que estavam se aposentando – e que eu nunca tinha encontrado. É melancólico que as pessoas com as quais ele tinha convivido por anos não tivessem nada para falar em sua despedida? Sim, sem dúvida, mas me garantiu um dinheirinho.

Já escrevi vídeos motivacionais para equipes de vendas – naquilo que talvez sejam os pontos mais baixos de minha, por assim dizer, carreira. Já escrevi a frase “Não, não é importante você acreditar em seus sonhos. É importante que seus sonhos acreditem em você. Que você terá a garra, a coragem de nunca abandoná-los”. Patético? Sim, não preciso de você para me dizer isso. Mas o cliente aprovou.

Nós, os fantasmas, somos, no final, fornecedores de palavras.

Jack Kennedy será sempre lembrado por suas palavras “Não pergunte o que seu país pode fazer por você, e sim o que você pode fazer por seu país”. Ele escreveu isso? Provavelmente não. Deve ter virado para seu fantasma, Ted Sorensen, e dito: “Quero alguma coisa que lembre esses vagabundos que eles também têm que tirar a bunda da cadeira”.

A carta testamento de Vargas?

“Mas esse povo de quem fui escravo não mais será escravo de ninguém.”?

Seu autor foi Maciel Filho, José Soares Maciel Filho, amigo e conselheiro do veterano ditador desde os anos 30 do século XX.

A carta-testamento, encomendada por Vargas, foi escrita entre os dias 8 e 9 de agosto de 1954, na casa de Maciel – na verdade, de sua sogra – na Praia do Russell, no Rio (hoje lá está o antigo prédio da Manchete).

Essa é nossa sina, fantasmas: Ser o Chico Xavier de gente viva…

De quem é a culpa?

De vocês, que não compram nossos livros em volume suficiente para a gente poder abrir mão dessa função.

Nosso destino é ficarmos ocultos.

Mas, quer mesmo saber?

Às vezes é uma puta vantagem.

Ou, como meu próprio fantasma escreveria: “Um considerável handicap”

Anúncios

2 Respostas para “Confissões de um Fantasma

  1. ausente da miséria
    ofender a náusea é poderoso
    banido do convívio obediente por ser o mais desobediente
    banido do convívio desobediente por ser o menos obediente
    o nazismo dos perdedores morreu a 70 anos
    o nazismo sem precedentes dos vencedores vai morrer com 700 anos
    eu não sou a revolução da buceta
    eu não sou a revolução do cú
    eu sou a revolução sem precedentes

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s