Surra de Bunda é Marco no Neo-Feminismo

Quando Betty Friedan lançou The Feminine Mystique, em 1963, ela colocou combustível no movimento feminista e, como resultado, mudou radicalmente “o tecido social dos Estados Unidos e dos países ao redor do mundo”.

Betty Friedan

Friedan lançou a ideia de que as mulheres seriam vítimas de um sistema falso de crenças que exige que elas encontrem identidade e significado em suas vidas através de seus maridos e filhos; este sistema faz com que a mulher perca completamente a sua identidade para a de sua família.

Já o feminismo contemporâneo visa desafiar ou evitar aquilo que vê como as definições essencialistas da feminilidade e sua ênfase demasiada nas experiências das mulheres brancas de classe média-alta. Investindo em uma interpretação pós-estruturalista do gênero e da sexualidade, as novas feministas frequentemente enfatizam a “micropolítica”.

Gloria Anzaldua

Com líderes tais como Gloria Anzaldua, bell hooks, Chela Sandoval, Cherrie Moraga, Audre Lorde, Maxine Hong Kingston, e diversas outras feministas negras, elas buscam negociar um espaço dentro da esfera feminista para a consideração de subjetividades relacionadas à raça.

Mas nada poderia preparar o movimento feminista para sua mais impactante e nova tendência: A  “Surra de bunda“, do trio carioca Tequileiras do Funk.

Apostando em uma nova era de predominância feminina, as Tequileiras pregam a dominação do sexo masculino através de atordoantes golpes executados com as nádegas, que subjugam seus opressores e impõe um novo caminho para as conquistas do mulheril.

Misto de arte marcial, música, poesia e filosofia neo-estruturalista da concepção da subjetividade de gênero, a Surra de Bunda escreve um novo capítulo na luta do ideal feminino em sua trilha de independência.

Gloria Steinem

Gloria Steinem escreveu que “…ler Freud me deixou igualmente cética quanto à inveja do pênis. O poder de dar à luz faz a “inveja do útero” mais lógica e um órgão tão externo e desprotegido como o pênis deixa os homens extremamente vulneráveis.”.

Fora isso, Glorinha, as mulheres estão muito mais biologicamente equipadas para aplicarem a Surra de Bunda, aumentando a já diagnosticada vulnerabilidade masculina.

Estamos perdidos, rapazes.

Não é nada, está nascendo o conceito da inveja glútea, em oposição à inveja do pênis.

As Tequileiras do Funk – a nova … bem, FACE (???) do feminismo século XXI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s